sexta-feira, 4 de setembro de 2015

BRT na Bienal: um novo capítulo na mobilidade


A XVII Bienal Internacional do Livro, que acontece até o próximo dia 13 no Riocentro, tem um esquema especial de ônibus. Para quem optar por ir de BRT, há várias possibilidades de trajetos, sempre com integração em uma das estações do Transoeste ou Transcarioca. E os amantes da literatura não têm com o que se preocupar. Todas as linhas regulares e alimentadoras do BRT, que vão até o evento, terão uma placa no para-brisa com a frase Este ônibus passa lá.

Para chegar à Bienal, a partir do Terminal Alvorada, o visitante tem que utilizar os corredores BRTs.  Se fizer a opção pelo Transoeste, é preciso descer na Estação Salvador Allende e fazer a integração com uma das três linhas que seguem até a feira: 808 (Colônia-Recreio); 931 (Curicica-Recreio) ou 959 (Curicica-Recreio). Outra sugestão é ir para a Estação Pontal e, de lá, fazer a conexão com o 809 (Curicica-Recreio) ou com o 810 (Pontal-Curicica). 


Quem fizer o percurso pelo Transcarioca, saindo do Terminal Alvorada, a dica é parar na Estação Rio 2 e seguir numas das seguintes linhas: 352 (Castelo-Riocentro); 613 (Del Castilho-Riocentro) ou 931 (Curicica-Recreio). O visitante pode ainda seguir até a Estação Curicica. De lá, deve ser feita a integração com o 348 (Castelo-Riocentro); 368 (Castelo-Riocentro) ou 931 (Curicica-Recreio).

Mas essas não são as únicas opções para quem for de BRT para a Bienal. Quem estiver na estação Madureira, também do corredor Transcarioca, deve pegar o BRT até a estação Curicica e depois fazer conexão com a linha 348 (Castelo-Riocentro); com a 368 (Castelo-Riocentro) ou com a 931 (Curicica-Recreio). Se o trajeto for feito a partir do Terminal Santa Cruz, do Transoeste, basta descer a Estação Pontal e integrar com as linhas: 809 (Curicica-Recreio) ou 810 (Curicica-Pontal). A programação detalhada do evento está disponível no site www.bienaldolivro.com.br.


Como chegar ao Riocentro de BRT

Linhas até o Terminal Alvorada:

Da Zona Sul:
309 Central x Alvorada (via Botafogo/Av. Sernambetiba)
314 Central x Barra da Tijuca (via Copa/Av das Américas)

332 Alvorada x Castelo (via Av. Sernambetiba)
501 Barra da Tijuca x Gávea (via Av. das Américas)Circ.
525 General Osório X Alvorada
535 Alvorada x Leme (via.Av.Niemeyer/Copacabana)
548 Alvorada x Botafogo (via Av. das Américas/Jóquei) Circ.
2018 Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro x Península

Da Zona Norte:
BRT Expresso Fundão - Alvorada
614 Del Castilho x Alvorada
692 Méier x Alvorada (via D. Helder Câmara/L. Amarela)
693 Méier x Alvorada (via R. Dias da Cruz/ L. Amarela)
2918 Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro x Alvorada (via L. Amarela)

Da Barra / Jacarepaguá:
565 Tanque x Gávea (via Freguesia)
880 Rio das Pedras x Alvorada (via Av. Ayrton Senna) Circ.
882 Tanque x Alvorada (via Freguesia)
886 Freguesia x Barra da Tijuca (Circular)
887 Pechincha x Barra da Tijuca (Circular)
888 Alvorada x Joatinga ( via Érico Veríssimo) Circular
890 Tanque x Alvorada  (via Cidade de Deus)
897 Alvorada x Via Parque (via Península) Circular
899 Alvorada x Joatinga (Circular)
991 Taquara x Alvorada (via Cidade de Deus)

Da Zona Oeste:
BRT Expresso Santa Cruz - Alvorada
2801 Campo Grande x Barra da Tijuca (via Estr. Magarça)
2802 Santa Cruz x Barra da Tijuca (via Av. das Américas)
2803 Vila Kennedy x Alvorada
2804 Bangu x Barra da Tijuca (via Cachamorra)

Da Rodoviária Novo Rio:
301 Rodoviária x Barra da Tijuca (via Av. das Américas)
303 Rodoviária x Barra da Tijuca (via L. Amarela) Circular
305 Rodoviária x Barra da Tijuca (via Túnel Rebouças)
2330 Rodoviária x Barra da Tijuca (via Península/L. Amarela) Circ.

Do Aeroporto Internacional Galeão:
BRT Semi-direto Galeão– Alvorada

2018 Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro x Península
2918 Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro x Alvorada (V.L.Amarela)

Do Aeroporto Santos Dumont:
2018 Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro x Península

Linhas de outros municípios até o Terminal Alvorada:
400T Belford Roxo x Barra da Tijuca
425T Queimados x Barra da Tijuca
425T Japeri x Barra da Tijuca (transbordo em Queimados)
415T Duque de Caxias x Barra da Tijuca
415T Magé x Barra da Tijuca (transbordo em Caxias)
415T Petrópolis x Barra da Tijuca (Via Madureira)
405T Nova Iguaçu x Barra da Tijuca
410T São J.Meriti x Barra da Tijuca
420T Mesquita – Nilópolis x Barra da Tijuca
460S Itaguaí x Barra da Tijuca BRT na Bienal: um novo capítulo na mobilidade


País homenageado na XVII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, a Argentina promove uma série de atividades culturais na cidade

No Riocentro e em diversos pontos da cidade, encontros literários, exposições e shows fazem parte da extensa programação

País homenageado na XVII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, a Argentina tem uma extensa programação cultural no Riocentro e em diversos locais da cidade. Promovidos pela Embaixada da Argentina no Brasil, organizados pela Direção-Geral de Assuntos Culturais da Chancelaria Argentina, chegam ao Brasil os nomes mais representativos da literatura argentina.


Dentre os 15 autores, podemos destacar a maior poetisa contemporânea do país, Diana Bellesi, que aos 69 anos lança seu primeiro livro com tradução em português e faz encontro com Geraldo Carneiro e, o premiado autor de “O segredo dos Seus Olhos”, Eduardo Sacheri. Também estará presente a Presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, que achou seu neto no ano passado após 37 anos de busca, e falará sobre Direitos Humanos.

Na música, Ariel Ardit Quinteto se apresenta na Sala Cecília Meireles para uma homenagem a Carlos Gardel e o músico Daniel Pipi Piazzolla, neto de Astor Piazzolla, faz show em homenagem ao avô, com seu grupo Escalandrum, no Café Literário da Bienal do Livro.  As exposições “O que se vê”, da fotógrafa portenha Adriana Lestido, e “Mafalda na sopa”, uma homenagem a personagem mais famosa de Quino, também fazem parte do calendário de eventos desta homenagem.

Na cerimônia de abertura da XVII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, os embaixadores da Argentina, Magdalena Faillace (Diretora Geral de Assuntos Culturais) e o Embaixador da Argentina no Brasil, Luis María Kreckler, inauguraram o stand de 400 m2 no Pavilhão Azul, que conta com auditório para 80 pessoas, batizado de “Manuel Puig” - “nome do mais carioca dos escritores argentinos”, afirma o Embaixador. Ponto de encontro das culturas Brasil-Argentina, o local vai receber uma programação cultural variada, onde os 15 autores convidados vão integrar a delegação oficial da Chancelaria e, juntos com os demais convidados especiais, manterão diálogos com o público em mais de 15 mesas-redondas.

Também foi inaugurada no Pavilhão Verde a mostra Manuscritos Históricos. Com a curadoria da Biblioteca Nacional Argentina, a exposição reúne uma série de manuscritos que analisa o processo de criação dos mais importantes escritores argentinos, como Leopoldo Lugones, Jorge Luiz Borges e Julio Cortázar. Fechando a programação do primeiro dia, Estela de Carlotto, Presidente das Avós da Praça de Maio, junto com Nadine Borges, advogada e militante de Direitos Humanos, ministraram um debate sobre Direitos Humanos, no auditório do estande da Argentina.


PROGRAMAÇÃO
Como país homenageado, uma extensa programação cultural estará presente em diversos pontos da cidade, durante todo o mês de setembro, como a exposição de “O que se vê”, da fotógrafa portenha Adriana Lestido, no Museu Nacional de Belas Artes, a partir desta sexta-feira; a exposição “Mafalda na sopa”, uma homenagem a personagem mais famosa de Quino, na Biblioteca Parque Estadual, a partir de amanhã (sábado (5/9), com abertura às 11h30; o show de Ariel Ardit Quinteto, com o cantor, compositor e instrumentista gaúcho, Luiz Carlos Borges, na Sala Cecília Meureles, será no domingo (6/9), às 19h30, numa noite de gala para convidados.

Nos dez dias do evento literário, outros importantes debates e encontros acontecem no auditório Manuel Puig, dentre eles: “A Questão das Ilhas Malvinas”, dia 04 de setembro (sexta-feira), às 18h30, que reúne o Secretário de Estado da Argentina, Daniel Filmus, o Embaixador da Argentina no Brasil, Luis María Kreckler e Pablo Gentili, Diretor da CLACSO-Brasil; “Literatura no Exílio”, dia 05 de setembro (sábado), às 16h45, com Noé Jitrik - Diretor do Instituto de Literatura Hispano-Americana da Faculdade de Filosofia e Letras (UBA)-, Mempo Giardinelli e María Moreno; “Poesia: recitação e pate-papo”, encontro da poetisa Diana Belessi com Geraldo Carneiro, dia 07 de setembro (segunda-feira), às 18h; “A Câmara Clara: literatura e cinema”, com o autor e professor Eduardo Sacheri, roteirista do premiado “O Segredo dos Seus Olhos” e “Um Time Show de Bola”, Claudia Piñeiro, famosa no Brasil pelo “As Viuvas das quintas-feiras”, Luciano Saracino e Frederico Jeanmaire.

Para o público infanto-juvenil, está reservado o encontro entre Ziraldo e Tute, com o tema “O Mundo em Quadrinhos”, que acontece no dia 06 de setembro (domingo), às 14h30. Já no dia 09 de setembro (quarta-feira), acontece aula de espanhol, seguida de leitura infanto-juvenil, com as professoras Ana Principe e Leonor Acuña, com leitura da Silvia Schujer. Os dois eventos também acontecem no auditório Manuel Puig, no Pavilhão Azul.

O show que marca a importância de Astor Piazzolla para a música mundial acontece no Café Literário da Bienal do Livro, com o grupo Escalandrum, no dia 08 de setembro (terça-feira), às 19 horas. Liderado pelo neto do músico, Daniel Pipi Piazzolla (baterista), o grupo, formado por seis músicos, apresentam o show “Piazzolla por Piazzola”.


“Para a Argentina é uma honra receber este reconhecimento justamente no ano em que a Cidade Maravilhosa celebra seus primeiros 450 anos de vida. Uma data simbólica na qual decidimos presentear com uma pequena amostra do nosso universo cultural. Sem dúvida, todas estas manifestações artísticas serão os nossos melhores presentes para os cariocas. Esperamos que este grande evento e todas as atividades que acompanharão a presença Argentina na Bienal, sirvam para enriquecer ainda mais o nosso imaginário coletivo e que a palavra seja fonte de inspiração para construir uma realidade melhor para todos”, afirma o Embaixador da Argentina no Brasil, Luis María Kreckler.





Mauricio de Sousa emociona na abertura da 17ª Bienal do Livro no Rio

Cerimônia inaugural do evento contou com a presença do prefeito Eduardo Paes, que também abriu o Café Literário


O emocionante discurso de Mauricio de Sousa marcou a abertura da 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, no início da tarde desta quinta-feira (3/9), no Riocentro. O criador da Turma da Mônica, que completa 80 anos em outubro, é o homenageado desta edição do evento. Mauricio, que lança 42 livros durante a Bienal por diversas editoras, recebeu o Prêmio José Olympio – concedido pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) – das mãos de Mônica, Cebolinha e dos bisnetos do influente editor que dá nome à honraria. A Bienal acontece no Riocentro até o próximo dia 13 e espera receber mais de 600 mil pessoas.

“É uma emoção inédita ser contemplado com um prêmio tão importante em companhia dos responsáveis por protagonizar as histórias que buscam divertir e entreter a garotada, além de ser um estímulo para a leitura. É um orgulho saber que a Turma da Mônica é a maior alfabetizadora do país”, disse, visivelmente comovido.


A Bienal também homenageia a Argentina, que foi representada na cerimônia por Luis María Kreckler, embaixador do país no Brasil, e Magdalena Faillace, diretora geral de assuntos culturais do ministério das relações exteriores e culto. Kreckler ressaltou a oportunidade de a Bienal proporcionar uma aproximação cultural ainda maior entre as duas nações, enquanto Faillace lembrou do papel fundamental do Brasil no fortalecimento da soberania argentina sobre as Malvinas.


Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, abriu oficialmente a edição da Bienal e fez um apelo pela manutenção dos programas governamentais de incentivo à leitura e alfabetização. Ele anunciou ainda o lançamento de uma petição pública relacionada à causa. Com o nome de Brasil, Nação Leitora, a iniciativa conjunta de várias entidades do livro tem como objetivo sensibilizar o Governo Federal no sentido de assumir o compromisso de manter a frequência anual de distribuição de livros de literatura em escolas públicas.

Eduardo Paes abre a programação cultural
Em seguida, o prefeito Eduardo Paes participou da primeira sessão do Café Literário, o espaço de debates intimistas que faz parte da programação do evento desde 1999, onde falou sobre obras no Rio, transporte público e Jogos Olímpicos. Paes, entrevistado pela jornalista Helena Celestino, afirmou ainda que, além de sua importância para a cidade, a Bienal tem o objetivo de inspirar o hábito da leitura entre os brasileiros.

Mauricio de Sousa e o prefeito Eduardo Paes
O público também pôde conhecer o Cubovoxes, com atrações voltadas a crianças e famílias. A área é uma grande estrutura que remete aos aros dos Jogos Olímpicos para abordar a diversidade e a multiculturalidade. As atividades constantes contam com teatro, cabines de trava-línguas e de leitura, área de exposições e um traumatrópio, no qual, por meio de animação, o usuário pode vestir fantasias as mais diversas.

Já o Cubovoxes, atividade voltada especialmente aos jovens leitores, que já foram o público mais presente neste primeiro dia de Bienal, recebeu sua primeira convidada, a sensação teen Carina Rissi, enquanto o Café Literário encerrou a programação cultural de quinta com a mesa “Rio 450: Histórias da cidade”, com Alberto Mussa, Edmilson Martins Rodrigues e Nireu Cavalcanti.

O primeiro dia de Bienal recebeu ainda o Agents & Business Center, parceria inédita com a Feira do Livro de Frankfurt que criou um espaço aberto a agentes literários e profissionais do livro de todo o mundo. A iniciativa, que aproxima ainda mais o grande evento literário do Brasil ao maior centro de negócios do mercado editorial no mundo, acontece até sábado. Na tarde de quinta aconteceu também o I Encontro Internacional de Profissionais do Livro (InterLivro 2015), programação gratuita com palestras e painéis com profissionais do mercado.
  
  




 Fotos: Divulgação
 **********************************************

Muito além do dinheiro: novo conceito 
de mesada será apresentado na Bienal

Conceitos são para serem repensados a todo o momento e é isso que o educador financeiro Reinaldo Domingos propõe em seu novo livro Mesada não é só dinheiro – Conheça os 8 tipos e construa um novo futuro (Editora DSOP), com lançamento marcado para este sábado (5/9), às 12 horas, no estande da Editora DSOP na XVII Bienal do Livro Rio.

A obra revoluciona a forma com que é inserido o dinheiro na vida das crianças, quebrando tabus e mostrando que é possível inserir o assunto na vida das crianças, associado a questões como sustentabilidade, meio ambiente, consumo consciente e outros temas tão relevantes atualmente.

“Esse lançamento é muito importante pra mim, especialmente porque ele é o resultado do meu conhecimento no assunto e da minha experiência no convívio que tenho com pais, crianças e escolas. Senti a necessidade de escrever algo que sanasse uma das principais dúvidas dos adultos: a mesada. E aproveitei essa obra para apresentar uma nova concepção e mostrar que o assunto vai muito além de um valor dado mensalmente aos filhos”, explica Reinaldo Domingos.

Reinaldo Domingos
São muitas as perguntas respondidas pela obra, que geralmente engloba o sistema financeiro, como:

•  Será que a mesada é um instrumento adequado para a educação financeira de crianças e adolescentes?
•  Qual é a idade recomendável para iniciar a mesada?
•  Qual é o valor ideal a ser estabelecido?
•  Estamos falando em dar um “salário” à criança ou estaremos premiando-a por bom comportamento?
•  É certo fazer do dinheiro uma moeda de troca por boas notas escolares?
•  E se a família não tiver condições financeiras para entregar um valor mensal à criança?
•  Como definir uma mesada na vida dos filhos, quando os pais não têm dinheiro para nada?

Contudo, o autor vai muito mais além, mostrando que até mesmo os que acham que não dão mesada aos seus filhos, estão enganados, uma vez que, toda criança, já a partir dos três anos de idade, começa a ter contato com alguma quantia em dinheiro. Essas entregas voluntárias, vindas geralmente dos pais e familiares, já são uma forma de mesada não sistematizada.

Isso sem contar que o contato com o papel-moeda na infância pode ocorrer de forma direta ou indireta. Acontece de forma indireta, quando a criança vê seus pais comprando ou vendendo coisas; e de forma direta, quando ela passa a ter algum dinheiro nas mãos.

As informações transmitidas neste livro passam não só pelo aspecto financeiro, mas também pelo viés do empreendedorismo social, ecológico, solidário, dentre outras formas de relacionar o dinheiro com a realidade de forma proveitosa para todos.

Assim, Domingos estabelece 8 tipos de mesadas que podem ser aplicados. São eles:
• Mesada voluntária
• Mesada financeira
• Mesada de terceiros
• Mesada econômica
• Mesada empreendedora
• Mesada ecológica
• Mesada de troca
• Mesada social

Serviço
Mesada não é só dinheiro, de Reinaldo Domingos
Data: 05 de setembro
Horário: às 12 horas
Local: Estande da Editora DSOP – na XVII Bienal do Livro do Rio

Fotos: Divulgação

 **********************************************

PAULUS traz obras premiadas para o evento
                 
Vencedora de quatro prêmios Jabuti na categoria Comunicação, editora traz para a Bienal do Rio de Janeiro sua premiada coleção que inclui autores como José Marques de Melo, Lucia Santaella, Ciro Marcondes Filho, entre outros

O segmento de Comunicação Social sempre teve atenção especial para a PAULUS Editora. Tanto que hoje a editora apresenta um catálogo completo para o segmento, incluindo as mais recentes transformações e reciclagens que as novas tecnologias trouxeram para o segmento. Por isso, nessa Bienal do Livro a PAULUS destaca diversos lançamentos e quatro livros premiados nas últimas edições do Prêmio Jabuti:

- Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação, de Lucia Santaella (Prêmio Jabuti 2014)

- O rosto e a máquina: o fenômeno da comunicação visto dos ângulos humano, medial e tecnológico, de Ciro Marcondes Filho. (Prêmio Jabuti 2014)

- História do Jornalismo Itinerário crítico, mosaico contextual, de José Marques de Melo (Prêmio Jabuti 2013)

- A Ecologia Pluralista da Comunicação – Conectividade, Mobilidade, Ubiquidade de Lucia Santaella (Prêmio Jabuti 2009).


Entre outros livros do segmento destacam-se os lançamentos: Comunicação, mediações, interações de Lucrécia D'Alessio Ferrara, Pensamento comunicacional brasileiro – 3, organizado por José Marques de Melo e Guilherme Moreira. Estratégias do olhar fotográfico, de Adriano Miranda e o novo Dicionário da Comunicação, organizado por Ciro Marcondes Filho. Completam a linha Teoria e metodologia da comunicação - Tendências do século XXI, de José Marques de Melo e A ditadura continuada, de Jakson Ferreira de Alencar, entre muitos outros.

Confira o catálogo completo de comunicação em www.paulus.com.br.

Visite a PAULUS na Bienal do Rio de Janeiro
M08/N07 - Pavilhão Verde

Rio Centro- Rua Salvador Allende, 6.555 – Barra da Tijuca

Foto: Divulgação

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro bate recorde de inscrições de alunos das redes pública e particular

A 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontece a partir desta quinta-feira (3) e vai até o próximo dia 13, no Riocentro, bateu recorde nas inscrições da visitação escolar. Em apenas uma hora, 145 mil alunos do ensino fundamental das redes pública e particular preencheram as vagas da ação, que é patrocinada pela Light.

Muitos leitores iniciaram nos corredores do Riocentro, ainda crianças, sua aproximação com o universo literário. Para fomentar este interesse, ao chegarem no evento, os estudantes da rede pública recebem uma Nota Bienal no valor de R$ 5,50, que poderá ser trocada por um livro no mesmo valor. O projeto possibilita aos inscritos a oportunidade de pesquisar, adquirir títulos, manusear exemplares e, ainda, criar uma rede de trocas entre colegas após a leitura.

Nesta edição, a Bienal Rio, maior evento literário do Brasil, homenageia a Argentina em uma festa que aproxima escritores, editores, livreiros, professores, estudantes e leitores de todas as idades e perfis. A Bienal é fruto de uma parceria de mais de três décadas entre o SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e a Fagga | GL events Exhibitions.


Mais de 100 autores brasileiros e cerca de 25 estrangeiros vão entrar em contato direto com seus públicos em ambientes informais como Café Literário, Cubovoxes, Conexão Jovem, Encontro com Autores e SarALL. Vários nomes internacionais já estão confirmados. No sábado, 5, a Bienal recebe David Nicholls (Um Dia), Julia Quinn (Os Bridgertons) e Leigh Bardugo (Grisha). Raymond E. Feist (O Mago) e
Colleen Hoover (Hopeless) se apresentam no domingo (6), e Joseph Delaney (As Aventuras do Caça-Feitiço) na segunda (7). Três escritoras vão se revezar entre as sessões do dia 12: Anna Todd (After), Colleen Houck (A Maldição do Tigre) e Sophie Kinsella (Becky Bloom). Em 13 de setembro, Josh Malerman fala sobre Caixa de Pássaros.

A presença de Mauricio de Sousa também está garantida. Comemorando seus 80 anos em plena Bienal, o cartunista vai inspirar ações especiais durante todo o evento por meio de sua trajetória e seus personagens. Ele recebe ainda o Prêmio José Olympio, oferecido a cada dois anos pelo SNEL a personalidades e entidades empenhadas na promoção da leitura.


A Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro é realizada pelo SNEL e pela Fagga | GL events Exhibitions. O evento tem como patrocinadores másters o Grupo Bradesco Seguros, a Petrobras e o BNDES. A Piraquê (Conexão Jovem/Encontro com Autores e Ponto de Encontro), a Supergasbras, (Praça de Leitura), a Light (Visitação Escolar), a Bic (Praça Espaço Criativo) e os Correios (operação logística) também são patrocinadores. A Bienal conta ainda com a realização do Ministério da Cultura através da Lei Federal de Incentivo à Cultura e com o patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura, pela Lei estadual de Incentivo à Cultura.

Os realizadores
Referência em promoção e organização de feiras e eventos no Brasil, a Fagga l GL events Exhibitions está no mercado há meio século e é responsável pela realização de mais de 20 feiras por ano no país. Desde 2006, faz parte de um dos maiores grupos do setor de eventos no mundo, a francesa GL events. A multinacional é a única da América Latina a trabalhar em toda cadeia da produção de eventos.


O SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) é uma sociedade civil que tem como objetivo o estudo e a coordenação das atividades editoriais no Brasil, assim como a representação legal da categoria de editores de livros e publicações culturais. Sua missão é dar suporte à classe nas áreas de direitos autorais, biblioteconomia, trabalhista, contábil e fiscal. O atual presidente do SNEL é Marcos Pereira.